Pular para o conteúdo principal

Desenho de um ambiente interno com iPad - Parte 1

Figura 1 - Resultado final do desenho

Depois de uma longa pausa durante a qual me dediquei à minha dissertação de mestrado, estou de volta com mais uma postagem. Dessa vez comentarei sobre o presente que ganhei de minha esposa: uma caneta para iPad de alta precisão. Esse tipo de caneta tem como principal característica o uso do Bluetooth como recurso de comunicação com o tablet o que, entre outras coisas, permite que a ponta da caneta seja bastante fina e tenha sensibilidade à pressão. O desenho mostrado na Figura 1 mostra um ambiente interno fictício. Ele foi produzido usando exclusivamente os recursos de um iPad 4ª Geração e de seus aplicativos além da própria caneta. O processo completo pode ser visto, em um vídeo time-lapse clicando aqui.

Tudo começou no aplicativo Adobe Illustrator Line, especializado em desenho à mão livre e instrumentado. Isso mesmo, esse pequeno e poderoso programa possui ferramentas que simulam réguas, gabaritos e curvas francesas. Entre os seus recursos de precisão existe um que permite visualizar e manipular uma malha em perspectiva de dois pontos de fuga como mostrado na Figura 2. Apesar de ser um programa muito bom para o desenho à mão livre, suas ferramentas ainda não se comparam as do Procreate, aplicativo que usei para desenhar todo o ambiente (vejam outras postagens sobre esse programa clicando aqui).

Figura 2 - Malha em perspectiva do Adobe Illustrator Line em processo de edição

Dessa forma, usei o Adobe Line somente para capturar a imagem da malha em perspectiva e depois a levei para uma camada no Procreate. Tomando essa malha como base fui confeccionando o desenho usando inicialmente duas figuras humanas como ponto de partida e referência de escala, mas também usando bastante a intuição. A caneta se comportou como esperado apesar da estranha sensação de estar riscando uma tela de vidro. Como o prezado leitor sabe, já venho desenhando no iPad há bastante tempo, mas sempre com canetinhas de ponta de borracha. Apesar disso, não demorou muito para me acostumar com a nova sensação tátil e assim aproveitar todos os recursos da stylus.

A precisão é muito boa pois a ponta tem a espessura aproximada de um lápis 6B. Observei um pequeno atraso de retorno entre o risco e o resultado na tela, mas não foi nada que atrapalhasse o processo. Os níveis de pressão foram muito eficientes tanto em relação à espessura quanto ao peso do traço. Esse tipo de interação deve ser configurado nos parâmetros da ferramenta (lápis, marcador, aerógrafo, giz, etc) que você pretende usar no desenho. No meu caso usei a ferramenta lápis com as configurações mostradas na Figura 3. Como pode ser observado fiz os ajustes para que o traço ficasse mais espesso e mais pesado com o aumento da pressão.

Bom, fico por aqui em minha breve análise. De uma forma geral fiquei muito satisfeito com a caneta e recomendo a todos os artistas que costumam usar o iPad que procurem entre as marcas disponíveis no mercado (Wacom, Adonit ou Adobe) a que mais se adequa ao seu bolso e sua rotina de trabalho.

Figura 3 - Interface do Procreate e configuração da ferramenta lápis

Postagens mais visitadas deste blog

Projeto de Arquitetura de Interiores com SketchUp - Parte 1

Em julho/2013 ministrei aulas para a segunda turma do curso de Especialização em Arquitetura de Interiores da Unifor. Meu módulo se chama Representação e Apresentação de Projetos de Arquitetura de Interiores. Nessa ocasião, depois de passarmos pela parte teórica, desafiei os alunos a abandonarem as técnicas mais tradicionais de representação usadas em seus escritórios e convidei-os a focar no uso de croquis e de modelos 3D do SketchUp.
Fizemos um projeto fictício de uma pequena cozinha e os alunos foram orientados a seguir o seguinte processo de trabalho: projetar o ambiente desenhando, à mão livre, os croquis da planta e de quatro cortes com aplicação de cores e algumas texturas. Esses croquis deveriam ser levados diretamente ao SketchUp para modelagem sem o uso de desenhos DWG bidimensionais.  Na verdade, durante todo o processo, a turma foi instruída a não usar o AutoCAD em nenhuma ação. Em substituição ao programa da Autodesk, fiz rápida explanação de como usar o programa Layout …

Dica SketchUp - Imagens em escala!

O SketchUp, em todas as suas versões (inclusive a online), permite que você exporte imagens PNG de qualquer visualização gravada em suas cenas. Um problema deste tipo de geração de imagem é o fato das mesmas não serem exportadas em escala.

Neste pequeno tutorial veremos como gerar a imagem de uma vista ortogonal de uma escada (Imagem 1) na escala de 1:25. Depois importaremos esta imagem para o Inkscape colocando-a em uma prancha A4. O Inkscape, para quem não conhece, pode ser considerado a "versão opensource" do Corel Draw/Illustrator sendo de uso livre e gratuito, mas quem preferir pode usar qualquer programa similar. Para complementar este tutorial você também pode assistir ao vídeo abaixo!




Primeiro prepare uma cena mostrando uma vista ortográfica de seu modelo como mostrado na Imagem 2. Não esqueça de desativar o modo de visualização em perspectiva e ativar a projeção paralela (Menu: Camera - Parallel Projection).

Coloque seu desenho na visualização máxima que sua te…

Desenho arquitetônico: cortes em uma residência térrea - Parte 2

Aqui você verá o processo de detalhamento dos elementos do telhado tomando como base os cortes genéricos feitos anteriormente. Vejam a lista de vídeos abaixo e bom proveito! Vídeo Aulas Desenho de cortes - parte 5 Desenho de cortes - parte 6