Pular para o conteúdo principal

Dicas para desenhar com um iPad

Oi pessoal! Voltamos com mais uma postagem sobre desenho à mão livre em mídias digitais. Dessa vez mostraremos com mais detalhes o processo de desenho de um croqui que fiz para testar as possibilidades do uso de um iPad desde os riscos iniciais até o acabamento final. As imagens abaixo ilustram as etapas que segui e as camadas que usei durante o processo. Venho testando esse tipo de recurso já faz um certo tempo e tenho tirado algumas conclusões que acredito serem importantes. São elas:

1. Não adianta querer que as mídias digitais reproduzam exatamente o que fazemos no papel. Percebam que o traço inicial mostrado na imagem abaixo é bem parecido com o do mundo real, mas tem suas características próprias. Nesse desenho usei um iPad 4 com o aplicativo Sketchbook Pro da Autodesk. O tablet tem um processador poderoso o suficiente para não "engasgar o traço", ou seja, a linha aparece na tela na medida exata em que vamos riscando. Recomendo o uso da caneta Wacom que, entre as stylus de ponta de borracha, é a que possui o menor raio. Também não adianta querer ter a mesma precisão de um lápis embora já existam canetas (stylus) mais adaptadas ao desenho com, por exemplo, as da empresa Adonit. Temos que nos adaptar ao tamanho da ponta e usar os recursos de ajuste do programa. Usei um lápis virtual 2B com um tom médio de cinza e opacidade em 75%.



2. Use camadas. No iPad 4 já podemos usar 4 camadas em arquivos de 1800x2400 pixels que é uma ótima resolução para desenhos. Dá para imprimir até em tamanho A3. O desenho final ficou com sólidos 1,4 MB de memória. Vocês verão as camadas usadas nas imagens seguintes. Depois do desenho inicial que fica na camada mais baixa, criei mais uma na qual fiz o desenho simulando uma caneta preta bem fina. Mais uma vez temos que usar o que o equipamento e o software nos proporcionam. Tentei deixar o traço o mais solto possível, mas nem sempre o resultado fica bom.


3. Se você usar arquivos com alta resolução acabará tendo a limitação de poder usar poucas camadas. Dessa forma seja objetivo. Veja na imagem abaixo que usei duas para o desenho linear sendo a primeira e mais baixa a do croqui esquemático e a mais alta a do desenho final à "caneta".

4. Minha sugestão é usar duas camada para a pintura sendo a primeira, mais baixa, para a pintura base. Nessa camada você aplicará todas as cores básicas dos objetos. A dica aqui é usar o Blend Mode Multiply (vejam acima) nas camadas de cores. Ele vai dar a leve sensação da sobreposição da tinta conseguida com canetas tipo marcador. Vejam na imagem abaixo a pintura base.


5. A última camada é a das sombras. Elas podem ser aplicadas diretamente na camada da pintura, mas essa separação te dá mais controle do processo. Como já comentado, não adianta querer copiar o que se faz no mundo real. Nele, uma sombra mal aplicada poderia arruinar o desenho. Nessas duas etapas comecei a notar que o processador começou a sentir o peso do desenho. A pintura demorava um pouco para processar, mas mesmo assim foi rápido o suficiente.

Bom, é isso. Não pretendo fazer dessa postagem um passo a passo. São muitas variáveis durante o processo. O desenho deve ter requerido umas 2 horas desde o risco inicial até o acabamento final. Espero que tenham gostado das dicas e convido todos a experimentarem.




Postagens mais visitadas deste blog

Projeto de Arquitetura de Interiores com SketchUp - Parte 1

Em julho/2013 ministrei aulas para a segunda turma do curso de Especialização em Arquitetura de Interiores da Unifor. Meu módulo se chama Representação e Apresentação de Projetos de Arquitetura de Interiores. Nessa ocasião, depois de passarmos pela parte teórica, desafiei os alunos a abandonarem as técnicas mais tradicionais de representação usadas em seus escritórios e convidei-os a focar no uso de croquis e de modelos 3D do SketchUp.
Fizemos um projeto fictício de uma pequena cozinha e os alunos foram orientados a seguir o seguinte processo de trabalho: projetar o ambiente desenhando, à mão livre, os croquis da planta e de quatro cortes com aplicação de cores e algumas texturas. Esses croquis deveriam ser levados diretamente ao SketchUp para modelagem sem o uso de desenhos DWG bidimensionais.  Na verdade, durante todo o processo, a turma foi instruída a não usar o AutoCAD em nenhuma ação. Em substituição ao programa da Autodesk, fiz rápida explanação de como usar o programa Layout …

Dica SketchUp - Imagens em escala!

O SketchUp, em todas as suas versões (inclusive a online), permite que você exporte imagens PNG de qualquer visualização gravada em suas cenas. Um problema deste tipo de geração de imagem é o fato das mesmas não serem exportadas em escala.

Neste pequeno tutorial veremos como gerar a imagem de uma vista ortogonal de uma escada (Imagem 1) na escala de 1:25. Depois importaremos esta imagem para o Inkscape colocando-a em uma prancha A4. O Inkscape, para quem não conhece, pode ser considerado a "versão opensource" do Corel Draw/Illustrator sendo de uso livre e gratuito, mas quem preferir pode usar qualquer programa similar. Para complementar este tutorial você também pode assistir ao vídeo abaixo!




Primeiro prepare uma cena mostrando uma vista ortográfica de seu modelo como mostrado na Imagem 2. Não esqueça de desativar o modo de visualização em perspectiva e ativar a projeção paralela (Menu: Camera - Parallel Projection).

Coloque seu desenho na visualização máxima que sua te…

Desenho arquitetônico: cortes em uma residência térrea - Parte 2

Aqui você verá o processo de detalhamento dos elementos do telhado tomando como base os cortes genéricos feitos anteriormente. Vejam a lista de vídeos abaixo e bom proveito! Vídeo Aulas Desenho de cortes - parte 5 Desenho de cortes - parte 6