Pular para o conteúdo principal

Dicas para o desenho de observação


Nessa postagem vou tentar, de maneira bem rápida e objetiva, dar algumas dicas de materiais e procedimentos para fazer desenhos de locação, ou seja, aqueles croquis rápidos que fazemos na rua, em um restaurante, bar ou até mesmo dentro de casa.


A base para esse tipo de prática é a do desenho de observação, ou seja, representar em meio bidimensional, normalmente em papel, o que é percebido na realidade tridimensional. É claro que os conhecimentos técnicos sobre desenho terão enorme influência no resultado, mas notem que a palavra "percebido" carrega um significado enorme uma vez que é justamente essa percepção que fará a diferença.

Vale lembrar e reforçar que desenhar é muito mais saber observar do que ter habilidades manuais. Se imaginássemos que duas pessoas pudessem ter o mesmo grau de conhecimento e de habilidades gráficas elas produziriam desenhos diferentes de uma mesma cena. O que vemos é bem diferente do que percebemos pois, na segunda ação, entram vários fatores de nossa formação biológica e pessoal. Nada melhor do que desenhos para ilustrar esse parágrafo. Entrem no site do Urban Sketchers e vejam a diversidade de técnicas e de níveis de percepção. Você poderá se espantar com a sofisticação de alguns desenhos e com o aspecto infantil de outros, mas isso não importa, o mais importante é notar como cada um capturou aquilo que viu e como decodificou em uma representação gráfica. Minha primeira dica então é que vejam o site e percam a vergonha de desenhar! :)

Ok, agora vamos para dicas mais práticas. A foto inicial da postagem mostra o conjunto básico de materiais que uso quando saio para desenhar em campo. Normalmente uso cadernetas pequenas que são mais práticas e portáteis permitindo seu uso em situações bem diversas que vão de mesas de restaurante à praias. Atualmente estou usando uma Moleskine 13x21 cm, mas também já uso um sketchbook da Canson 22x28,5 cm. Não preciso convencer ninguém sobre a qualidade das folhas da Canson. O caderno é muito elegante com capa dura e, apesar do tamanho, tem boa portabilidade.

A Moleskine é vendida em vários formatos. Também já usei um formato bem pequeno 9x14 cm que recomendo para os que gostam de fazer "plantão", ou seja, gostam de ter sempre a mão uma caderneta para fazer estudos rápidos. 



Agora vamos falar um pouco sobre os instrumentos. Não tem segredo. Sempre recomendo que o desenhista use aquilo que o deixe mais confortável. Embora saiba que o lápis tem muito mais qualidade gráfica e maior riqueza de recursos, no caso dos desenhos de campo, prefiro usar lapiseiras. Elas são mais práticas para manusear, não dependem de apontador e, uma vez que meu assunto principal é arquitetura, permitem um maior refino nos detalhes. Normalmente levo somente uma Pentel 0.5 com grafite B para o desenho base e linhas e uma Pentel 0.9 com grafite 2B para sombras e traços que julgo precisarem de maior peso. Também costumo usar uma lapiseira Caran D'ache com grafite 2.4 2B para as sombras mais leves.

Recomendo também o uso de uma borracha moldável. Essa é, sem dúvida, a melhor borracha para grafite. Não marca o papel e é bem macia, mas cuidado pois em alguns modelos a borracha vai ficando grudenta com o tempo. Recomendo a marca Cretacolor.

O uso de canetas é muito comum nos croquis de arquitetura, mas traz um problema que me fez abandonar um pouco essa técnica. Você gasta mais tempo pois normalmente haverá uma base de lápis/lapiseira para depois vir o traço com caneta e quando se trata de desenho de campo isso é um fator importante. Mas também não tenho dúvidas quanto a riqueza gráfica que as canetas proporcionam principalmente se você consegue explorar o traço e as suas espessuras para gerar sombras e texturas. Quando faço opção por essa técnica uso a Caran D'ache como base e três canetinhas descartáveis. Normalmente a 0.2, 0.4 e 0.8, mas isso varia muito com cada desenho e situação. Por exemplo, não é raro que eu use uma caneta 0.05 para acrescentar, em casa, detalhes após o desenho feito em campo. Outra dica boa é a caneta de ponta dupla como a Tombo mostrada na foto. A ponta em forma de pincel é ótima para sombras rápidas. É isso, espero que as dicas sejam úteis e espero poder conhecer os processos de vocês nas respostas a essa postagem.







Postagens mais visitadas deste blog

Projeto de Arquitetura de Interiores com SketchUp - Parte 1

Em julho/2013 ministrei aulas para a segunda turma do curso de Especialização em Arquitetura de Interiores da Unifor. Meu módulo se chama Representação e Apresentação de Projetos de Arquitetura de Interiores. Nessa ocasião, depois de passarmos pela parte teórica, desafiei os alunos a abandonarem as técnicas mais tradicionais de representação usadas em seus escritórios e convidei-os a focar no uso de croquis e de modelos 3D do SketchUp.
Fizemos um projeto fictício de uma pequena cozinha e os alunos foram orientados a seguir o seguinte processo de trabalho: projetar o ambiente desenhando, à mão livre, os croquis da planta e de quatro cortes com aplicação de cores e algumas texturas. Esses croquis deveriam ser levados diretamente ao SketchUp para modelagem sem o uso de desenhos DWG bidimensionais.  Na verdade, durante todo o processo, a turma foi instruída a não usar o AutoCAD em nenhuma ação. Em substituição ao programa da Autodesk, fiz rápida explanação de como usar o programa Layout …

Dica SketchUp - Imagens em escala!

O SketchUp, em todas as suas versões (inclusive a online), permite que você exporte imagens PNG de qualquer visualização gravada em suas cenas. Um problema deste tipo de geração de imagem é o fato das mesmas não serem exportadas em escala.

Neste pequeno tutorial veremos como gerar a imagem de uma vista ortogonal de uma escada (Imagem 1) na escala de 1:25. Depois importaremos esta imagem para o Inkscape colocando-a em uma prancha A4. O Inkscape, para quem não conhece, pode ser considerado a "versão opensource" do Corel Draw/Illustrator sendo de uso livre e gratuito, mas quem preferir pode usar qualquer programa similar. Para complementar este tutorial você também pode assistir ao vídeo abaixo!




Primeiro prepare uma cena mostrando uma vista ortográfica de seu modelo como mostrado na Imagem 2. Não esqueça de desativar o modo de visualização em perspectiva e ativar a projeção paralela (Menu: Camera - Parallel Projection).

Coloque seu desenho na visualização máxima que sua te…

Desenho arquitetônico: cortes em uma residência térrea - Parte 2

Aqui você verá o processo de detalhamento dos elementos do telhado tomando como base os cortes genéricos feitos anteriormente. Vejam a lista de vídeos abaixo e bom proveito! Vídeo Aulas Desenho de cortes - parte 5 Desenho de cortes - parte 6