Desenhos de viagem - Lisboa


Depois de 7 cidades, 16 dias andando muito, pegando metrô, trem, ônibus, taxi e avião, de quase 1.300 fotos e de 25 desenhos estamos de volta! Como não poderia deixar de ser reiniciaremos as postagens com os desenhos que consegui produzir na inesquecível viagem que fizemos começando por Portugal.



Nessa primeira etapa conhecemos a capital e a pequena, mas lindíssima, Sintra.

Nessa primeira parte da viagem consegui fazer seis desenhos. Em todos adotei a mesma técnica que, a propósito, foi se desenvolvendo ao longo da viagem. Levei uma caderneta Moleskine 12,7x20,5 cm com papel texturizado para aquarela que tinha ganhando de minha esposa Juliana ano passado em Santiago. Aqui devo confessar que não fiz nenhuma aquarela. Não haveria tempo e eu não tinha o material adequado para aplicar a técnica na rua. Bom, acabei explorando o formato bastante retangular da folha e sua textura. Gostei da maioria dos resultados. É interessante perceber que no primeiro desenho que fiz (Imagem 2) eu não estava muito confortável com as lapiseiras e com a caderneta. Não gostei muito do resultado, mas serviu de "esquenta".

Você perceberá a quase ausência de edifícios inteiros. Não havia tempo! Eu tinha que desenhar nas paradas para alimentação, esperas por transporte, filas ou enquanto minha esposa, sogra, sogro e cunhado olhavam alguma loja. O frio também atrapalhou bastante, minhas mãos sofreram muito já que não dava para desenhar de luvas. Nestas condições optei sempre por desenhar detalhes e ou aspectos de alguma localidade ou edifício.

Imagem 2 - Detalhe de edifício na rua Carret no Chiado - Lisboa - Portugal

Imagem 3 - Museu Berardo em Belém - Lisboa - Portugal 

Imagem 4 - Registro feito pela minha esposa enquanto desenhava o edifício do Museu Berardo - Imagem 3
Adotei sempre a mesma técnica. Primeiro uma base volumétrica com lapiseira porta minas (1.6 HB) e depois um acabamento nos traços e talvez em algumas sombras com uma Pentel 0.5 (B). Os desenhos que mais me agradaram foram os da Torre de Belém (Imagem 1) e do Museu de História Natural de Sintra (Imagem 5).

Nesse último aconteceu algo bastante legal. Enquanto desenhava comecei a ser observado por duas garotinhas e sua família. Depois de alguns instantes perguntei se elas queriam ver o desenho. Quando mostrei recebi um Uau! das duas. Muito legal! O melhor elogio da viagem, afinal, não há sinceridade maior que o de uma criança. Legal também foi que os pais pararam para observar por causa delas, ou seja, o interesse por desenho, arte, ou coisas afins já deve estar aflorando nas meninas. Tomara que, de alguma forma, eu as tenha estimulado. Fiquei bastante feliz.

Imagem 5 - Detalhe do Museu de História Natural de Sintra - Portugal

Imagem 6 - As pequenas interessadas em desenho. Ganhei um Uau! :)
Depois do desenho do Museu Berardo comecei a perceber que havia capturado um modo de operação para maximizar as oportunidades que tinha para produzir algo. Acabei me tornando mais eficiente dentro das condições do material que tinha levado e dos locais e tempos disponíveis. Tenho que agradecer a minha esposa Juliana que registrou quase todos os momentos de desenho e aos seus pais e irmão que aguardaram pacientemente eu terminar alguns desenhos. Bom! Ainda tem mais, mas deixarei para as próximas postagens. Até lá!

Imagem 7 - Estação de Sintra - Portugal. Enquanto esperávamos o trem
Imagem 8 - Detalhe do Oceanário de Lisboa - Croqui rápido

Imagem 8 - Desenhando o Oceanário de Lisboa