Croquis de final de semana 3


Olá! Voltamos com mais alguns rápidos desenhos feitos no final de semana. Desta vez aproveitei o Domingo. Enquanto minha esposa fazia uma prova de concurso resolvi sair em busca de algum tema para desenhar.


Lembrei de dois exemplares de edifícios residenciais que guardam, na minha interpretação, qualidades de uma época em que os gabaritos não eram tão agressivos com o entorno urbano e o desenho dos edifícios levava em consideração aspectos bem mais nobres que os atuais. Hoje, lamentavelmente, o único parâmetro importante parece ser o apelo de venda. Os dois se localizam em área nobre da cidade e com certeza não pagariam, nos padrões atuais, nem 20% do valor dos terrenos onde estão locados.



Para mim, são dois belos edifícios com características bem peculiares. O primeiro tem varandas bem desenhadas e detalhadas com elementos oblíquos e jardineiras. A estrutura tem pilares com planos inclinados que compõem a fachada juntamente com vários cheios e vazios. O aproveitamento do terreno, que sobe em direção ao norte, proporcionou uma rica composição de volumes com os blocos em alturas distintas. Hoje é protegido por grades, mas passou muito tempo sem essa necessidade o que deixava a edificação em perfeita sintonia com a quadra, ladeada de belas palmeiras.



O segundo edifício é mais singelo, mas, para mim, tem solução ainda mais interessante. Também utiliza um jogo de cheios e vazios alternando áreas "revestidas" por cobogós, varandas abertas, panos cegos onde se encontram as esquadrias e um conjunto belíssimo de cores conseguido pelo uso de pastilhas de vidro. Infelizmente não pude capturar essa característica no desenho. O mais interessante nesse edifício é que ainda hoje ele preserva o muro baixo embora as unidades residenciais estejam protegidas por grades. O recuo (jardim) deixa a mostra o pavimento térreo que contém apartamentos. Fico imaginando uma época em que a Av. Santos Dumont, que faz uma das esquinas do conjunto, não era tão movimentada e seus moradores podiam trocar uma conversa com os vizinhos de lote e de rua. Ainda há vários exemplares desse tipo em nossa cidade. Aos poucos vou tentando desenha-los. Até a próxima!