Croquis de final de semana


Oi pessoal! Mais uma sequência de desenhos de finais de semana. O título da postagem pode fazer parecer que passo boa parte do meu tempo livre desenhando. Não é bem verdade, mas depois de comecei a usar minhas Moleskines portáteis isso se tornou bem mais frequente.


Desenhar para mim é um prazer. Me sinto bem. Fico com uma ótima sensação de que produzi alguma coisa importante e de que exercitei o cérebro e, para mim, as duas coisas são verdade. Desenhar a partir de uma realidade tridimensional é uma das mais ricas experiências gráficas que se pode ter. A decodificação dos espaços e sua representação em planos bidimensionais é sempre um desafio de visão, interpretação e releitura. Uso a palavra releitura por que todo desenho é uma interpretação pessoal carregada de simbologias e da carga de experiências do desenhista. O mais interessante nesse processo é que essa carga a qual me refiro não é somente no âmbito do desenhar e sim do somatório de tudo que o indivíduo já leu, viu, assistiu, estudou, conversou e, é claro, desenhou.

Detalhe do Mercado dos Pinhões
Faço muitos desenhos baseado em fotos, mas o desenho "ao vivo" com certeza é um exercício muito mais rico. Todos os desenhos dessa postagem foram feitos in loco usando uma lapiseira Caran D'ache de grafite 2B 1.6 sobre papel Moleskine 13x21 cm. Uma pequena edição foi feita na imagem para corrigir o amarelado da folha e o contraste do escaneamento. É isso! Até a próxima. Keep drawing!

Lançamento do livro do professor Rocha Junior

Cajueiro na Casa José de Alencar
Beach Park, coqueiros, mesas e edifícios